domingo, 18 de junho de 2017

Paixão

Ah... quando foi a última vez que me senti assim? Ouvindo música romântica e projetando ideias, parada pensando, cabeça ao vento... Sonhando dormindo e acordada... quando foi?... Não deve ter remédio esse meu tédio que insiste em se apaixonar... É erro consumado, eu sei! Só não sei como arrancá-lo de mim... São projeções, complexos, arquétipos, invenções burguesas, esse tal de romantismo... Ah... eu sei! Só não sei como arrancá-lo de mim... Não sei se teria tido o mesmo fim de felicidade, pois sem alarde, essa porra dói, dói no começo e no fim... Mas no meio... Ah no meio!.. Em meio à poesia que se cria dia-a-dia, que se ria, que procria, que inventa, ilumina, transborda, saborosa essa vida de gostar a dois... Em meio a sexo apaixonado não há que soe tamanho desgosto diante do gosto dessa mentira que se cria pq a vaidade quer...

Nenhum comentário: