sábado, 18 de fevereiro de 2017

Paixão que vem e que vai...

Quem em meio a esse turbilhão nacional tem cabeça e tempo pra apaixonar-se?... Mas é que paixão não é escolha, acontece. Escolha é o que se fazer diante dela... Envergonhar-se por ainda haver espaço pra platonismo na vida?... uma parte é materialismo dialético, a outra romantismo ultrarromântico... Qual de mim implode à existência da outra?... Nenhuma, ambas resistem e convivem em quase paz... o que vai à guerra é a miséria de se sentir culpada por aquilo que se vai, se desconstrói... o peito que agora cala diante da paixão que outrora viva gritava viva, amor até... e explode, o mesmo peito, acelera, sufoca, sua frio, sente borboletas no estômago, sonha e vive em sonho o que não pode na realidade, sente a boca que não beija, teima em pensar o que não pode... e se comove, tenta, faz esforço pra lembrar-se de quem um dia nunca esqueceu... e não se lembra dessa paixão nova que por hora  lhe grita viva, porque não há lembrança sem esquecimento, não é possível lembrar-se de quem não se esquece... de quem teima em aparecer sem convite nos pensamentos e sentimentos... Dividida entre a dor de se desfazer de laços que se pensaram em algum momento eternos, e a paixão que lhe invade a vida, aturdida, gostosa, incomunicável, impossibilitada de existência mas nem por isso inexistente... o que se tente é no fim um deixa estar... que por hora não há o que se faça...

Nenhum comentário: